sábado, 5 de abril de 2014

Drones me Afetam



Agora fiquei sem palavras... mas em breve falarei mais sobre estas "belezinhas"...

.


quarta-feira, 2 de abril de 2014

Crítica: A CARTOMANTE



Crítica do psicanalista Patrick de Oliveira para o espetáculo A CARTOMANTE.




     A Cartomante é um conto de Machado de Assis que eu sempre gostei muito. Já antigo nas minhas leituras, falei do mesmo em duas ocasiões onde pronunciei um Seminário sobre Triangulação Amorosa e confesso o conto é um dos meus melhores para tratar do assunto a partir da literatura. Quando recebi a informação de que o Grupo Liqüidificador iria apresentá-lo no Teatro em Goiânia, tão logo me animou o desejo de vê no teatro um conto de uma complexidade sem igual. Para minha surpresa o Grupo Liqüidificador dramatizou o conto com uma maestria sem igual. Dentro de um único cenário construído no modelo Teatro de Arena, havia 3 outros cenários: de um lado o quarto do Machado de Assis que na peça assume o papel de escritor e narrador do conto - sim, sim, porque necessariamente o escritor não é o narrador, em Machado os narradores são sempre um personagem oculto. Do outro lado a sala de consulta da cartomante e no meio o mundo de Vilela, Camilo e Rita onde toda a história propriamente dita se descortina). No chão um tapete colorido fazendo um cenário único - lembrando que o espaço é habitat de todos - ali toda trama acontece. Três cenários em um, o movimento se dá em uma sintonia profunda com a platéia, sem distâncias, sem relevo. É um teatro participativo, onde a platéia se mistura com as cena, ao mesmo tempo que possibilita a cena. Impossível não ficar maravilhado com a performance da cartomante que numa leitura afro -brasileira encarnou  a imagem da pombagira, um Machado debochado e eloquente, bem como a expressão, o movimento corporal brilhante do  descortinado Camilo e a brilhante sisudez de Vilela que não sorri, obstinado e mal resolvido. O que falar da volúpia de Rita e sua capacidade  de manipulação, ou melhor, ela acaba refém das suas próprias diabruras. Mas o conto e também a peça está para Camilo, o grande estupim da trama. É  Camilo ao meu vê a peça chave de toda história. Entender o conto A Cartomante observando Camilo é uma possibilidade sim, de entender o conto em todas nuanças. Eu me lembrei de Peter Brook (O Teatro e seu espaço), afinal qualquer espaço, pode ser espaço de teatro, lembrei também de Artaud (Le Théâtre et son Double), seu vazio existencial, seu teatro da crueldade onde não há   nenhuma distância entre ator e platéia, todos seriam atores e todos fariam parte do processo, ao mesmo tempo. Lembrando de Peter Broock e Artaud impossível não lembrar de Eugênio Barba e Jerzy Grotowski e seu colorido ritual. Lembrei também  de José Celso Martinez e seu teatro eloquente, pela ousadia e pela capacidade de inovação. Lacan teria dito que a trágico-morte de Rita e Camilo é a topada do Real que ficou para Vilela. Afinal é Vilela que ficou para contar a história. Por fim, parabéns Grupo Liqüidificador pelo compromisso bem cumprido de transformar em drama-tragédia teatral um conto tão caro a nossa literatura. 



Patrick de Oliveira é psicanalista lacaniano em Goiânia. Diretor Geral do Instituto Orí: Psicanálise  e Saúde Mental.

terça-feira, 1 de abril de 2014

Pessoas e plásticos.

Tudo carne. E o saco plástico, apenas momentos de distancia.



Trampo foda de pintura do artista plástico baiano Fábio Magalhães.

A CARTOMANTE em Goiânia

No último final de semana (de 28 a 30 de março de 2014), nosso espetáculo "A Cartomante" teve curta temporada em Goiânia. Uma excelente temporada! Apresentamos no Centro Cultural Martin Cererê e tivemos a casa cheia todas as noites. E bota cheia nisso!

Com apenas 90 cadeiras para a platéia, tivemos o triplo de público no sábado e no domingo. Aproximadamente 700 espectadores no final de semana! Agradecemos as críticas escritas para nós. Nos deram muita confiança e mais compreensão sobre o nosso trabalho.

O Grupo Liquidificador fica extremamente feliz e lisonjeado com a densa presença e, principalmente, com o envolvimento que o público teve com o espetáculo.

Agradecemos imensamente aos produtores locais Patrick Mendes e Milton Santos, e à assessora de imprensa Ana Paula Mota. Todos com muita generosidade fizeram com que muitas (MUITAS) pessoas ficassem sabendo da nossa temporada pela capital do estado de Goiás. Também agradecemos à hospitalidade da Tia Rosani e Milena, que nos deixaram muito a vontade e confortáveis em seu lar.

Obrigado Felipe Ando (o Amorinho) pelas belíssimas fotos!



















segunda-feira, 31 de março de 2014

Uma Noite de Amor com Marlon Brando - Parte II

E me levando, e me levando em direção à escada. E acariciando minha mão e me levando até a escada. E me fazendo elogios e acariciando minha mão, Marlon Brando disse-me coisas tão vagas como ao que vem abaixo. Não exatamente o que se diz, mas perto da atmosfera que se instaurou. Marlon Brando me aconselhava sobre os perigos humanos e suas atitudes carnais.

Marlon Brando,
"Falando assim, tinha-lhe tomado as mãos e afagava-as.
- Olhe, continuou, acariciando-o sempre; não se meta com donzelas, entendeu?... São o diabo! Por dá cá aquela palha fica um homem em apuros! Agora quanto às outras, papo com elas! Não mande nenhum ao vigário, nem lhe doa a cabeça, porque, no fim de contas, nas circunstancias de D. Estela, é até um grande serviço que lhe faz! Meu rico amiguinho, quando uma mulher já passou dos trinta e pilha a jeito um rapazito da sua idade, é como se descobrisse outro em pó! Sabe-lhe a gaitas! Fique então sabendo de que não e só a ela que você faz o obséquio, mas também ao marido: quanto mais escovar-lhe você a mulher, melhor ela ficará de gênio, e por conseguinte melhor será para o pobre homem, coitado! Que tem já bastante com que se aborrecer lá por baixo, com seus negócios, e precisa de um pouco de descanso quando volta do serviço e mete-se em casa! Escove-a, escove-a! Que a porá macia que nem veludo! O que é preciso é muito juizinho, percebe? Não faça outra criançada como a de hoje e continue para adiante, não só com ela, mas com todas as que lhe caírem debaixo da asa! Vá passando! Menos as de casa aberta que isso é perigoso por causa das moléstias; nem tampouco donzelas! Não se meta com a Zulmira! E creia que lhe falo assim porque sou seu amigo, porque o acho simpático, porque o acho bonito!
E acarinhou-o tão vivamente desta vez, que o estudante, fugindo-lhe das mãos, afastou-se com gesto de repugnância e desprezo, enquanto o velho lhe dizia em voz comprimida:
- Olha! Espera! Vem cá! Você é desconfiado!..."

Trecho extraído do romance de Aluísio Azevedo, "O Cortiço".
O senhor é o Botelho e o rapaz Henrique.
Páginas 36/37 da Editora Martin Claret, 2003