sábado, 23 de março de 2013

RESULTADO DO FAC - 2013



quinta-feira, 21 de março de 2013

PESSIMISMO É DE MORTE! Desesperancia – palavras de desespero, sem expectativa, sem frustrações, sem dor, com violência, com ânsia.




Saber de si pode ser violento porque falar de suas descobertas sobre si e ser desqualificado é muito mais violento ainda.

É de bom tom não falar muito sobre si. Primeiro porque não é assunto que dure, francamente. Depois porque não interessa tanto assim ao outro. Verdadeiramente não. O pessimismo neste caso está tão próximo da realidade, quanto o otimismo do desespero. Quem fala, fala, fala de si não será perdoado pelos ouvidos alugados. Não se iluda, apenas se toque.

Quem se importa com suas descobertas pessoais interiores verdadeiramente, sem pegar sua fala e transformar em um exemplo pessoal para roubar o foco, com verdade  e generosidade legítimas, já morreu. Não nasceu. Nem existiu.

Saber que você será sempre a segunda pessoa para o outro (se tiver sorte...), que a única pessoa para quem você é prioridade máxima é pra você mesmo é bastante desolador. Sua história triste tão interessante é só sua. “Só o prazer é compartilhável, a dor é individual.” Pessoal, intransferível... Como a morte.

Há um tempo em que o sujeito precisa saber identificar o que é amizade e o que é condescendência. Ou saber que ambas são uma mesma coisinha. O homem é um bicho só e social. A mulher também. Se você não é capaz sozinho não será capaz de maneira nenhuma. Há quem não consiga olhar para si no espelho profundamente sem sentir medo. Há quem não consiga olhar para si no espelho e dizer: Eu sou fulano de tal. O espelho não é seu amigo e tampouco será condescendente.

A solidariedade é uma coisinha inventada pelo sistema capitalista para engambelar os pobres e salvá-los da extinção. Assim como a honestidade. Só se aplica a eles mas tem rico que cai às vezes. O amor não. O amor é outra coisa. Se você sente machuca, se o outro sente ele que se foda e vive versa.

Ainda há uma hipótese remota sob a chuva, escorrendo para alguma boca de lobo, sobre sua tendência em achar que neste momento alguém pensa em você. Você pode acreditar nisso ou tomar alguns comprimidos. Importante saber que ninguém quer saber da sua porção dor e da sua porção euforia só aos fins de semana com álcool e som automotivo no estacionamento do super. É por fim um soco no estômago libertador.

Pois eu gostaria de ser extremamente inconveniente, agora que todos estamos livres para não nos importamos mais com ninguém, sem formalismos instituídos. Serei agora inconveniente e despejarei aqui as minhas mais novas descobertas pessoais totalmente desinteressantes. Vou ferir sua integridade moral contando aqui agora, com todas as palavras, nos mínimos detalhes minha experiência pessoal, quando colocada frente a frente com outra pessoa, fui confrontada com a seguinte pergunta:

QUEM É VOCÊ QUE ESTÁ AÍ DENTRO NESTE MOMENTO? choro convulsivo durante 40 segundos.

Eu sou um balão eu sou uma enxurrada eu sou uma panela vazia eu sou um girassol eu sou mãe eu sou confusão eu sou som alto eu sou frágil eu sou agressiva eu sou água de torneira eu sou borboleta eu sou tubarão eu sou você que me fita eu sou ontem eu sou destruição eu sou panela cheia eu sou banana madura eu sou experiências eu sou cor de rosa eu sou murcha eu sou pipa eu sou urso polar eu sou egoísta eu sou lágrima eu sou filha eu sou meu carrasco eu sou raiva eu sou lápis de cera eu sou brigadeiro de colher eu sou perdão eu sou azia eu sou o fim da picada eu sou perfumada eu sou girassol...

E aí acabou o tempo. Agradeci a quem me ouviu porque me pediram. Mas foi de coração. A dor é de cada um, só. Mas a poesia cura.


Ana Tirana
 

Bad motherfucker



terça-feira, 19 de março de 2013

Dormindo com o Inimigo (?) - Título de Livro de Auto Ajuda





Todos temos vícios. Pode ser que pessoas mais sábias e evoluídas não tenham. Mas é difícil acreditar. Esses sabidos que transcenderam podem ter vícios como o vício de querer atingir o nirvana, por exemplo. O vício é visto como um defeito. Pode ser. Pra mim significa ser dependente de algo, de alguém, de algum lugar. O 
propaganda: "Eu adoro homens que fumam"
viciado em crack, a viciada em ajudar, o dependente da cafeína, a dependente de piscinas cobertas. E por aí vai.

sempre quis fumar no cinema
Um dos meus vícios é o tabaco. Necessito de nicotina todos os dias e muito mais de uma vez. Umas vinte vezes por dia vou atrás de um cigarro pra fumar. Meu corpo sente falta. A abstinência bate em diferentes níveis. Outras vezes até esqueço que fumo, mas quando lembro, preciso loucamente acender um. É um vício psicológico também. Um vício social e emocional. Sou dependente destes tubinhos que mais parecem insignificantes do que eu mesmo posso imaginar.

Me faz feder, as pessoas se incomodam com a fumaça, com meu bafo. Quando vou a um lugar fechado, onde não se pode acender um mísero
Galera cool
fósforo, fico muito perturbado por não poder fumar. E nem sempre estou com vontade de fumar. Isso me incomoda muito. E tem também o preconceito que a saúde pública instaurou contra o tabagismo. Todos sabemos que fumantes tanto ativos, quanto passivos, sofrem diversos males. Isso às vezes me faz sentir como um criminoso na presença de algumas pessoas. 

É uma crise fumar. Não sei se luto contra esse vício. Não sei se ligo o foda-se para o que pensam. Não sei se cuido da minha saúde. Não sei se preciso viver tanto tempo. Gostaria de parar de feder. Gostaria de não ter que abrir mão de um prazer. Teria que substituir todo um estilo de vida, todo um ciclo de amigos? Teria que mudar de casa, de cidade, de religião? Qual é o meu lugar nisso tudo? Para me sentir confortável precisaria morar numa cidade onde só existem fumantes? Mudar pra uma cidade onde a única fumaça seja do churrasco?
só pra chocar

A todo tempo nós fumantes somos incentivados pelos dois lados. De um lado, as campanhas contra o fumo mostram figuras horrendas, pessoas mortas, bebês no pote de maionese, crianças tristonhas, gente a vagar pelos becos, todos vítimas diretas ou indiretas dos males que o cigarro causa. Mas de um outro lado vejo sensualidade, gente charmosa fazendo anéis de fumaça, outros ficando menos nervosos ao dar uma baforada, James Bond, filtros vermelhos, o par perfeito de um copo de cerveja, um mundo cheio de glamour, a Carrie Bradshow é maravilhosa! Mentira? Verdade? Ai ai ai... Os que dizem pra eu não fazer mostram coisas feias e os que dizem sim, são tão interessantes!

Estou triste. Me dá um cigarro?
Que bom! Vamos fumar.
Só fumar um cigarrinho antes de ir.
Já vai começar? 'Xô' terminar o 'cigs'.
To sem trocado. Aceita um cigarro?
Dá um?
Não vou ficar sustentando o vício dos outros!

charmosa ou nojenta?
Sou uma vítima desse vício e não consigo ser imparcial. Vítima uma vírgula! Todos nascemos sabendo que não se deve fumar! Eu fumo desde meus 14 anos e achava horrível o gosto, o cheiro. Ser viciado em cigarro é coisa de gente burra. Até começar a gostar de fumar, vomitei umas duas vezes, passei mal, fiquei tonto. Tem que ser insistente. Posso até achar que sou charmoso, mas também fui meio burrinho.

Não sei até que ponto esse vício me viola. Os motivos pelo qual eu fumo sempre serão vistos como superficiais comparados com a cultura do bem estar. Relendo o post acendi um cigarro. Algumas pessoas sentem pena de mim. Enfim...

... Eu adoro fumar. A-D-O-R-O

"Quem não fuma tem uma família bem bonitinha"

segunda-feira, 18 de março de 2013

Brevíssimo relaxamento na Cidade Maravilhosa



Chegada: 09/03




Viagem, aeroporto, avião...












Vítima, de apenas 11 anos, estava sumida desde a última terça












 10/03








11/03

















12/03




12/03/2013 12h38
 - Atualizado em 12/03/2013 13h02





 12/03/2013 09h53 - Atualizado em 12/03/2013 12h58











13/03

13/03/2013 20h52 - Atualizado em 13/03/2013 21h31

Mulher é morta a tiros na frente de casa na Baixada Fluminense, no RJ










Que tranquilidade.






:) Abençoadas sejam as férias.