sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Terceiro Encontro - Estudos


Começamos o encontro assistindo ao filme "SURPLUS", meio maniqueista, mas rendeu uma boa discussão sobre violência publicitária e desejo.





Depois conversamos sobre novas referências literárias sobre diversos tipos de violência:



Cristãs
Catecismo da igreja católica: p. 2516 Artigo 9
Luta interna – questão principal: nunca estaremos em paz interior



Velho testamento
Violência social
Levítico 24: 13 – 23
Violência psicológica
Gn 22 1 – 18
Passagem de Abraão na Bíblia





Estilística
José Saramago – Intermitências da Morte 
marcadamente sarcástico e irônico p 87 carta da morte



Suspense/ ritmo/ progressão
Blecaute – Marcelo Rubens Paiva



Violência poética / participação da obra
Perfume – Patrick Süskind



quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Violensia: subs. poema de cunho violento, agressividade poética, horror em verso, rimas malditas.



Dia da costureira

Ela ria e girava tonta na rua
Nua sacodia o corpo
Espalhava sucata, entulho de histeria
Entupia as bocas de lobo
Ela ria e não entendia
Não pagaria mais, nem mataria por amor
Só girava a gastura, o entojo, a paúra
Num breve espaço entre a demência e o torpor
Ela ria e pedia licença
Nua, sucata, restos
Dura de frio entupida de alma
Ria chorava e enchia a vida
Num copo de tempestade e calma
Ela ria o filho, o pai, o pai do filho e o espírito santo
O luto permitido pelo fruto proibido
Rodopiava com a pilha de louça, a pilha de trapos
Tudo espalhado com chiado, com cheiro de feijão queimado
Ela ria rodando os olhos, a boca, os ouvidos
Nua girava louca
Girava o choro do menino
O riso da boneca
O chiado da panela
O som alto do carro
A fala falha do gago
O latido da cadela da vizinha
A noite virando dia e a cegueira da loucura
Regendo a sinfonia
Imitando uma buzina
Ria girava nua, buzina
Solta na barranqueira, buzina
Nada mais que me importa, buzina
Hoje é dia de feira, buzina
Domingo pede cachimbo, buzina
O sonho espalhado da costureira recolhido no caminhão
Ria e morria na rua
Um julgava com dó
Outro julgava com nojo
O que julgava chocado, não com a vida atropelada
Com a fragilidade do corpo
O Sol firmava lento
O dia engrenava cedo
Atenção dissipava logo
Ela jazia
Ria de si rainha
Pra qualquer mosca rondando aquele hoje sempre.

Ana Tirana

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Ei, FAC, aumenta aê, véi!



Porque eu me imaginava mais forte. Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões, é que se ama verdadeiramente. Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar é fácil. É porque eu não quis o amor solene, sem compreender que a solenidade ritualiza a incompreensão e a transforma em oferenda. E é também porque sempre fui de brigar muito, meu modo é brigando. É porque sempre tento chegar pelo meu modo. É porque ainda não sei ceder. É porque no fundo eu queria amar o que eu amaria - e não o que é. É também porque eu me ofendo a toa. É porque talvez eu precise que me digam com brutalidade, pois sou muito teimosa. É porque sou muito possessiva e então me foi perguntado com alguma ironia se eu também queria o rato para mim. Talvez eu me ache delicada demais apenas porque não cometi os meus crimes. Só porque contive os meus crimes, eu me acho de amor inocente. Talvez eu tenha que chamar de “mundo” esse meu modo de ser um pouco de tudo. Eu, que sem nem ao menos ter me percorrido toda, já escolhi amar o meu contrário (…). Eu que jamais me habituarei a mim, estava querendo que o mundo não me escandalizasse. Porque eu, que de mim só consegui foi me submeter a mim mesma, pois sou tão mais inexorável do que eu, eu estava querendo me compensar de mim mesma com uma terra menos violenta que eu.

(Clarice Lispector - do Livro: Felicidade Clandestina)

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Notícias de Assassinato n1

Me intriga muito violência explícita nas manchetes. Mas isso não tenho muito o que opinar. Bom ou ruim? Certo ou errado? Necessário ou sensacional? Me tira do estado comum. Isso sim.

Pra vocês um exemplo levíssimo de exemplos que busquei. Vejam o vídeo.

Líder da oposição escapa a tentativa de assassinato

_____________________________________________

Google Imagens: Assassinato

ESCOLHA UMA


Eu escolhi
Uma das mulheres mais gordas do mundo foi inocentada de assassinato


"Por favor, não matem meu filho!"

Numa certa manhã de segunda-feira, estava eu tomando café da manhã. O dia era ensolarado e o bom humor baixou em mim. Isso, em uma manhã ensolarada de segunda-feira, é tão raro de acontecer comigo quanto vou visitar mamãe.

Passava aquele honesto programa da Ana Maria Braga na televisão. 

Após ela terminar uma receita impossível de fazer com o que costumo ter em casa, o clima baixou, a música de tragédia começou e ela anunciou a notícia: MAE ESCUTA POLICIAIS ATIRANDO EM SEU FILHO ADOLESCENTE ATRAVES DO MURO. Ana Maria, com ar dramático, pediu pro fulano soltar o vídeo. 

Um garoto sendo acuado por uns 4 policiais num muro de concreto. Ele estava sendo espancado, xingado, e escutando tudo aquilo que um bom servidor diz pra um elemento. Daí um dos grandões saca um pistola e dispara uns dois tiros no peito do garoto. Ele reage com "ais!". A mãe gritava do outro lado "por favor, não matem meu filho!", e nada. O menino continuou de pé, mas fraco. Chorava de dor. Ou medo, desespero. Ele tentava deitar mas os policiais não deixavam. Mesmo baleado, os "canas" continuam a humilhação sem se importar com a mãe histérica do outro lado do muro.

Não me lembro do resto. Não lembro o que Ana comentou. Mas lembro que isso mudou o meu dia.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

violênciaTENDÊNCIA

--------------A gente conhece VIOLÊNCIA na 'vida'



--------------Na TV
 

--------------No cinema


 

--------------Na literatura

 

--------------Até nos quadrinhos

 


 Mas vocês sabiam que essa tendência chegou também no mundo da moda? Ohhhhh...! Na Semana de Moda de Nova York, que começou dia 15 agora e vai até amanhã, nos tivemos um exemplo disso na coleção do The Blonds. Foi um festival de referência a cinematografia de horror. Pop até dizer chega.




Eu gostei, e quem sabe não vira inspiração pra figurino.

Vale mencionar também um ensaio, meio estranho, da 12 Magazine uma revista de moda da Bulgária. Olha isso.



E quem não lembra daquela tão falada sessão fotográfica do American Next Top Model de 2007.

Controvérsias a parte a moda costuma se apropriar do que tá na boca do povo. E as estatísticas não nos deixam mentir, nem o Tarantino...

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Pesquisa Violência Googlada



Segundo pesquisas, aumenta a onda de violência no DF.


Segundo pesquisas, aumenta a onda de violência no DF!


Segundo pesquisas, aumenta a onda de violência no DF!!


Segundo pesquisas, aumenta a onda de violência no DF!!!


Segundo pesquisas, aumenta a onda de violência no DF!!!!


Segundo pesquisas, aumenta a onda de violência no DF!!!!!


Segundo pesquisas, aumenta a onda de violência no DF!!!!!!


Segundo pesquisas, aumenta a onda de violência no DF!!!!!!!





Pesquisa cientificamente comprovada...
Pesquisa cientificamente comprovada...
Pesquisa cientificamente comprovada...
Pesquisa cientificamente comprovada...
Pesquisa cientificamente comprovada...