quarta-feira, 22 de maio de 2013

#PICNIK

No último domingo (19/05/13) rolou mais uma edição do PICNIK. Geralmente acontece no nosso Calçadão, mas dessa vez no Centro Cultural Banco do Brasil.

Pra quem não sabe, o PICNIK é um evento gratuito que começa durante o dia e pega parte da noite. Quem vai, encontra uma pequena feira com bancas de trabalhos independentes, que vão do artesanato, brechós, estilistas, revistas em quadrinhos, fanzines e Revista Samba, especiarias comestíveis e outras coisas que não me lembro agora. Música ao vivo e discotecagem dos mais variados estilos. Pessoas com cangas estendidas, que levam suas comidinhas, bebidas, fondue, crianças peladas, violão, chouw-chouws, taças de vinho. Um evento bem alegre e divertido.

Durante o PICNIK estava tentando pensar porquê eu tinha criado tanta expectativa, porquê estava tão contente. Via aquelas pessoas bonitas e moderninhas com suas câmeras analógicas e instagrans se esforçando em dar um jeito nos filhos agitados, e tentava entender porquê aquilo tudo era tão legal.

Cheguei à uma conclusão! E talvez até seja muito simples. Estar no PICNIK é como estar na praia, ou, como a gente fica tentando ser europeu, numa daquelas praças cheias de alegria que tem famílias e tudo mais. Brasilia é um pouco carente de programas diurnos. Temos o Parque da Cidade e outros lugares coloridos, mas eventos que aglomerem, integrem linguagens, que ofereçam oportunidades pra você não se entediar enquanto pega sol, não conheço muitos. Sem contar que é um ótimo lugar pra aliviar algumas carências, que podem ter os motivos mais superficiais, ou vindos das profundezas obscuras do ser e blá blá blá, até o simples fato de não querer estar só num domingo deserto em casa para ver vários amigos. Conhecer gente nova ouvindo um som bacana. Fazer compras se sentindo IN... INteligente, INterad@, INdependente. Cult, moderninh@, satisfeit@.

Acho que me confundi todo tentando deixar o último parágrafo abrangente, sintético, objetivo, pacífico e irônico na medida. É muita coisa pra dizer.

ANEXO "MEIÍSTICO":

"Tava ficando pessoal demais isso. Aí resolvi tomar para mim o trabalho e assumir logo esse tom pessoal do post. Quem fala aqui é a Karine e a função do dia era que nós dois, jornalisticamente, analisássemos o evento para depois contar aqui no blog. Eu fui, comprei uma água. Cheguei tarde. Antes fui na feira dos importados com minha mãe,  meu irmão e minha cunhada. Daí uma amiga de longa data me buscou em casa e fomos. Como falei, comprei uma água e fiquei observando o PICNIK numa onda "não estou me intoxicando", que tem tudo a ver com a cara endomingada da festa, como o Kael bem descreveu ali em cima. Ouvi de algumas pessoas uma coisa meio "aí, os hipsters estão invadido a cidade", mas aff, que preguiça. Nego tá tentando se divertir, ser estético, ser pra fora. Acho válido. Temos que ir e nós artistas devemos bater na portinha dos organizadores e dizer: ói, deixô mostrá uns trampo aê. hehe. não sei... algo do tipo. E é isso... Vamos celebrar a vida e levar os chows-chows para passear que eles são muito lindos e nobres."

Enfim, a noite veio. As bancas vão sendo guardadas e o tom da música muda. Agora não é mais lugar de criança. As pessoas levemente mais embriagadas assumem outra postura. Aquele comum estado de balada, de show no CCBB, de Balaio. Clima de paquera e conversas mais empolgadas. Noite, né? Noite brasiliense. À partir daí, o estado de percepção e crítica se diluírem, impedindo uma bela análise. Depois de algumas doses de sangria do Loca Como Tu Madre, realmente, relatar o que se sucede é um pouco difícil. O PICNIK faz sua parte aliviando, agora, outras carências... Aquelas que costumamos aliviar em qualquer outro lugar numa noite comum.

Foi o que ficou do PICNIK: O que gera expectativa e marca é o prazer da aglomeração vespertina. E um lindo pôr-do-sol escondido atrás do prédio do banco. 




___________________________________________________________________
Pra quem ainda não conhece o PICNIK, clica nessas letrinhas com cor diferente
E os amigos do Grupo Liquidificador, SAMBA e Loca Como Tu Madre valeu-valeuzão
E no Instagram @picnikbsb #revistasamba @locacomotumadre