sábado, 31 de março de 2012

O incesto

Tem coisas que acontecem na vida porque a gente bebe, outras tantas acontecem porque a gente vive. A vida é simples, sem mistificação, simples assim.

Eu estou entrando em lugares nunca desbravados nem imaginados, apenas desejados, aquele desejo que vem lá de dentro, sabe... Um incesto foi o que aconteceu. Era meu irmão agora é meu amante!

 


SEXO!!! Luta friccional entre dois corpos imundos com sangue correndo na veia. O mesmo sangue correndo na veia. Lugares diferentes. Prazeres inóspitos. Prazeres genéticos. Transei com meu irmão e foi muito bom!!! Estamos em família, somos muito parecidos, somos demais... podres demais. Com os olhos vendados para as indulgências plenárias que á acumulei. Olho para o céu, estou cercada de amigos, mas onde está Deus e quais são verdadeiros amigos. 

Estamos cegos pela fumaça do Dunhill e da Absolut e Red Bull, Red Label! Só tomo destilados...

A pegada é a melhor, quando penso que quero um carinho ele faz, quando quero um toque ele já aconteceu, agora quero violência, nossa que brutalidade, cabelos, línguas, apertos, unhas, pegada perfeita, medida certa, TESÃO... SOMOS MUITO PARECIDOS, somos demais, podres demais. E o podre é uma delícia. Hummm... minha colcha ainda tem o cheiro dele. Foi bom, eu quero mais! Muito mais. Quero ficar em família.

Meu namorado não se importa, com certeza não se importa, pois nunca demonstrou nenhum ciúme do meu irmão. Pelo contrário, sempre foram muito amigos, sentam juntos para falar de futebol, tomam cerveja, falam sobre carros, abraços, tapinha nas costas... Tenho certeza que não se importaria. Está tudo em família.

Estou muito confusa, estou perdida. Mas para me encontrar precisei me perder antes, andar em outros lugares. Sentir outros prazeres. Já não sei quem eu sou.

Antes eu era assim:


Agora eu sou assim:


E o ‘eu’, também não sei de quem se trata. 

Eu sou Iza Cavanellas:

Eu sou Giórgia:

  “Eu já não sei quem sou eu e quem é este personagem que eu também não sei quem é” Iza Cavanellas. Hahaha, não precisa das aspas, a voz é minha, ou precisa... Onde começa e termina a atriz. Onde estão os limites da performance, porque existem as dicotomias saussureanas? Não sei! EU NÃO QUERO SABER!!!

O que importa é que eu estou arrancando sem anestesia o que eu tenho de mais podre dentro de mim e colocando em uma vitrine. Este é o meu tesouro, aí está o meu coração e eu adoro vitrines. Gosto de ser comentada. Gosto de ser eu, Iza, gosto de ser eu, Geórgia, gosto de ser você personagem que eu não sei quem é. Gosto de incesto, sexo, fricção familiar entre dois corpos imundos. Adoro quem leu este post e sabe que tudo isso é verdade. A isso eu dou o nome de cumplicidade, somos cúmplices a partir de agora, pois vocês já sabem do meu segredo: eu transei com meu irmão e foi muito bom!!!

Ass. GeórgIZA

sexta-feira, 30 de março de 2012

Seria isso uma pseudo "atitude" punk contraditória?


quinta-feira, 29 de março de 2012

Não é punk

Get Innocuous! Home- home in the late-night and away- away in the half-life except Saturday- crushed by the boring until played and plagued again by the tourists when once you had believed it now you see it's sucking you in to string you along with the pretense and pave the way for the coming release alone and prone in the half-light and late- late to the real-life if you find a way into the gold rush you will stay until the morning comes you can normalize don't it make you feel alive Get Innocuous!

quarta-feira, 28 de março de 2012

O Punk é Pink

O punk rock é mais rosa do que a gente pensa. Várias capas históricas de punk rock utilizam essa cor:


Minha vida fodida

Karine, fofa, burocratica, acorda cedo, toma um café sem açucar e começa a cuidar de seu ceac.
Paga 20 reais e...


CERTIFICA e da fé que, revendo os livros e/ou assentamentos em seu poder relativos às:
Mc Arthur di Andrade Camargo
OFICIAL
Rônei Pinto Ramos
OFICIAL SUBSTITUTO
Talão n.º:
28/03/2012
Página 1
I - EXECUÇÕES, EXECUÇÕES PATRIMONIAIS E EXECUÇÕES FISCAIS, feitas às Varas
CÍVEIS, de FAZENDA, do MEIO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO URBANO E
FUNDIÁRIO e de FAMÍLIA da JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E JUIZADOS
ESPECIAIS.
II - EXECUÇÕES, EXECUÇÕES PATRIMONIAIS E EXECUÇÕES FISCAIS originárias feitas
aos órgãos de 2ª INSTÂNCIA DA JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL, desde a data de
fundação desta serventia, 21/04/1960 até 21/3/2012, ** CONSTA ** contra o nome por
extenso, filiação e CPF/CNPJ de :

** CONSTA **** CONSTA **** CONSTA **** CONSTA **** CONSTA **** CONSTA **** CONSTA **** CONSTA **** CONSTA **

KARINNE CRISTINA RIBEIRO SANTOS
(029.065.901-93)

* Execucao de Titulo Extrajudicial - 2010.01.1.048241-4, Req. p/ INSTITUTO EURO
AMERICANO DE EDUCACAO CIENCIA E TECNOLOGIA, em 7/4/2010, Dist p/ Decima
Sexta Vara Civel, valor da causa: 5.749,96 - Brasilia.

valor da causa: 5.749,96

valor da causa: 5.749,96

valor da causa: 5.749,96

valor da causa: 5.749,96

valor da causa: 5.749,96

valor da causa: 5.749,96

CERTIDÃO EMITIDA EM 28/3/2012
*** VALIDA POR 30 (TRINTA) DIAS ***
Selo Digital de Segurança: TJDFT20120040250866WIDS
Observação:
a) Certidão emitida por processo eletrônico, com base na Lei nº 11.419 de 19.12.2006;
b) a informação do nº do CPF acima é de responsabilidade do solicitante da Certidão, devendo a
titularidade ser conferida pelo interessado e destinatário;
c) a autenticidade desta Certidão poderá ser confirmada na página do Cartório Rui Barbosa de
Distribuição do Distrito Federal (www.distribuidordf.com.br)
d) embora a certidão tenha validade de 30 (trinta) dias, sua autenticidade poderá ser confirmada em até 3
(três) meses após a sua expedição.


E meu ceac foi para o pau.
A vontade que eu tenho é de explodir tudo. fuder com tudo logo mesmo. não assumo meu ateísmo porque morro de medo do que pode vir depois, porque o que virá depois não vai ser bom. Essa merda acontece só uma vez e sem pensar duas vezes tudo acaba, e acaba mesmo. Tinha uma amiga que vivia, estudava, sofria, comia, cagava, dirigia, brigava, birrava, amava, criticava e agora não exite mais, virou um bando de osso enterrada em um bando de terra. NÃO TEM SENTIDO. ELA NÃO ESTA LÁ. NÃO É DIVERTIDO. NÃO TEM CEAC NO NOME DE KARINE.

Tenho vivido uma fase foda, letargica, corrida, despercebida. Não tenho tido pulsões, desejos. Leio para justificar aquilo que não acredito que possa ser legitimo. Criação minha. Um puta medo academico. Uma puta divida no meu nome. Não sei, tenho sentido dores de cabeça, insatisfação. Não doei metade do que poddo para o processo de Noite. Ta tudo travado, careta, medroso. Caralho que bizarrisse. Não faço um post que presta. Nada. Foda-se. Quero ficar em paz.

Pagarei no futuro pelo estudo do meu pai.
nada mais justo, nao é mesmo?!


Vai todo mundo tomar no cú. To puta.

domingo, 25 de março de 2012

Filosofia de Taverna

Como o próprio nome da postagem já diz, isto é uma Filosofia de Taverna. Filosofia de boteco mesmo, não passa de um embuste esquemático de um pensamento falho, que tenta acalmar ansiedades juvenis de um diretor inexperiente em processo.

A ideia é tentar uma explicação associativa entre a geração ULTRA-ROMÂNTICA, de onde provém o Noite na Taverna, com o movimento punk e com as referências brasilienses contemporâneas do Grupo Liquidificador.
A primeira associação é entre Romantismo e Movimento Punk, os dois movimentos tem relação com a revolução, mesmo que em diferentes épocas e diferentes contextos sociais, o primeiro ligado às idéias dos iluministas da revolução francesa, Jean Jaques Rousseau, Locke, Diderot etc, já o segundo apoiado nas idéias anarquistas de Mikhail Bakunin, anti-facistas e anti-consumistas. Do contexto romântico podemos retirar o "slogan" liberte, egalité, fraternité, já dos punks um "slogan" se sobressai: do it yourself. Podemos dizer que os dois movimentos têm vertentes que influenciaram de alguma forma na política e também na música, artes visuais, literatura, música, moda etc.



Partindo de um recorte inglês dos dois casos (Romantismo literário inglês, de Lord Byron e Movimento Punk na música inglesa, dos Sex Pistols) temos uma associação direta com os temas do sado-masoquismo:

Lord Byron (1788-1824) exprimiu o pessimismo romântico com poemas de tons rebeldes ante as convenções morais e religiosas. Seus poemas traziam como temas o sadismo, incesto, satanismo entre outros.

"A dor é dona da sabedoria e o saber amargo. Aqueles que mais sabem, mais profundamente sofrem com a verdade fatal."  (Lord Byron)


O Sex Pistols (1975-1978) inspiraram amplamente o movimento punk na Inglaterra e no mundo. A banda, conduzida pelo empresário Malcolm McLaren, tinha visual inspirado nas roupas sado-masoquistas de sex shop. Inclusive o nome da banda vem da loja de McLaren e de sua mulher, a designer Vivienne Westwood.


Vivienne Westwood vestia o Sex Pistols e outras bandas punk, ficou mundialmente conhecida como a "estilista-punk".Seus trabalhos influenciaram e influenciam o mundo da moda até hoje. Alguns anos após a fase punk, Vivienne fez uma coleção chamada Pirates, com visuais inspirados no romantismo histórico, influenciando bandas como Duran Duran.






Os dois movimentos, na sua corrente inglesa, também influenciaram gerações paulistanas no Brasil, o Romantismo Paulistano (a juventude acadêmica e boêmia, de onde provém nosso ULTRA-ROMÂNTICO Álvares de Azevedo) e o Punk Paulistano (a juventude rebelde, filhos de operários do ABC paulista, de onde provém bandas como Inocentes, Olho Seco, Cólera etc).



Sociedades Secretas X Underground
Os jovens byronianos de São Paulo fundam a "Sociedade Epicuréia", pouco se sabe sobre as ações desta sociedade secreta que supõe-se que Àlvares de Azevedo participava, mas a Epicuréia era muito mais do que uma brincadeira displicente de jovens estudantes. Há os que digam que auto-mutilação, sacrifício de animais e necrofilia faziam parte das práticas desta sociedade tenebrosa. É possível que daí venha todo um documentário de sadismo e de sado-masoquismo narrado em Noite na Taverna.

No underground paulistano o que importava era quebrar regras, tentar ir além do que os anteriores fizeram, fosse em matéria de punk, pós-punk, eletrônicos ou mesmo heavy metal – ou ainda nenhum desses estilos. Inferninhos paulistas faziam os visitantes se depararem de início com cenas como a de uma mulher enjaulada comendo repolho, bebendo uísque no gargalo e soltando uns berros de vez em quando. Estes e outros personagens traziam a primeira impressão ao entrar no antigo Madame Satã, lendária casa noturna paulista. Numa única noite, o Madame Satã era capaz de apresentar atrações totalmente díspares como um desfile de moda, um lançamento de revista, noite de autógrafos de desenhistas, shows de mímica, strip-tease e também das bandas Ratos de Porão, Pin-Ups e outras. "Tudo em uma noite apenas, tudo junto, uma verdadeira salada mista", define Marcelo Leite de Moraes, autor do livro Madame Satã - O templo do underground dos anos 80 .

 Bras-Ilha
Jean Jacques Russo e Renato Rousseau
Jean Jacques Russo e Renato Rousseau - pais e filhos da revolução
Há também uma busca associativa com nossa cidade de origem, com a curta história e com o presente borbulhante desta Brasília que deixa de ser maquete. 
Nos anos 70, o adolescente Renato Manfredini Júnior, consumido pelo tédio de uma cidade por se fazer, se apaixona pelo punk inglês e se junta aos amigos embaixo do bloco para fundar um "movimento" que estouraria nacionalmente. Anos mais tarde, este adolescente, inspirado em Bertrand Russell e Jean Jacques Russeau, tem o nome artístico Renato Russo. O punk brasiliense floresce. Não do subúrbio e da sujeira paulistana, mas do tédio e da solidão de filhos de diplomatas e altos funcionários, burgueses sem religião que não estão afim de viver a mesma vida de seus pais. Daí vem as bandas Detrito Federal, Aborto Elétrico, Plebe Rude, Legião Urbana entre outras.

"Pretorious tem um violão. Renato, o cara que perguntou se ele gostava de Sex Pistols, também. Muller, um baixo Giannini. Seu grande amigo, Fê Lemos, já de volta ao Brasil, espera com ansiedade a chegada da bateria Premier comprada na Inglaterra, direto na fábrica, por seiscentas libras. Os quatro já sabem o que querem: seguir na menos congestionada das estradas, a do punk rock. Não fazem idéia do quanto a jornada pode ser longa, sinuosa e acidentada - e sem possibilidade de retorno. Logo no início do caminho, tropeçam em cadáveres ilustres. Renato entra em estado de choque ao saber da morte de Sid Vicious por overdose de heroína. Liga para o professor de violão, pergunta se ele tinha ouvido alguma coisa. Como assim? Foi numa sexta e ele só soube no domingo à noite, quase 48 horas depois? Chora não só de tristeza, mas de raiva por ter a informação com tanto atraso. E ainda mais no caso de uma notícia tão importante sobre o baixista dos Sex Pistols, 21 anos, ídolo pela postura e pela estética. Gostava tanto dele que tinha batizado de Sid o crocodilozinho empalhado que guardava no quarto. Foi também por causa de Vicious, apenas três anos mais velho, que escrevera com caneta Pitot na parede do quarto: I wanna be a junkie (Quero ser um viciado). Sai de casa e toma uma garrafa de vinho Chapinha. É o primeiro grande porre.
Ao voltar, escreve para a Melody maker. Sob o pseudônimo Eric Russell, queixa-se da cidade: "Nada acontece aqui. Nunca." E do país: "Tudo é disco, Travolta ou samba". Revela a dimensão do impacto da descoberta dos Pistols e do punk: "Nos envolvemos com a música como não acontecia desde os Beatles e os Stones." Atribui o envolvimento ao surgimento de heróis como "Sid, John (Lydon) e o Clash: eles pensavam do jeito que a gente pensava." Afirma ainda que a morte de Vicious só será compreendida depois de alguns anos, como tinha acontecido com Brian (Jones), Jimi (Hendrix) e Gram (Parsons): 
- Alguns vão esquecer, outros não; alguns já esqueceram. Mas, quando é um herói de verdade, ele sobrevive.
Na carta, publicada com destaque na edição de 31 de março sob o título We Could Be Heroes... Until Sid Died (Nós poderíamos ser heróis... até Sid morrer), Russell relata também a sua própria evolução, ao dizer que cresceu "milênios" desde 1975, mesmo tendo ainda 18 anos.
-Não vou perder (ganhar) como Sid fez. Eu vou fazer por ele o que ele fez por mim."
(Trecho extraído do livro Renato Russo - O Filho da Revolução de Carlos Marcelo.)                     


As associações dos punks burgueses de Brasília, ou dos burgueses acadêmicos românticos de São Paulo, ou dos punks junkies da Inglaterra, ou dos boêmios byronistas ingleses, ou dos integrantes da secreta sociedade Epicuréia paulistana, ou dos punks do Underground de São Paulo, ou dos brasilienses consumidos pelo mesmo spleen que os românticos de outrora, são diversas e são todas um tanto irracionais e romantizadas, um blefe que serve para a imaginação sonhadora e criação artística do Grupo Liquidificador.

A nossa busca, é de um espetáculo que faça jus a toda esta história, além de um vômito de amor platônico à Àlvares, Sid, Renato e todos estes boêmios, junkies, escrotos, apaixonados, ULTRA-ROMÂNTICOS que farão parte desta peça liquidificada!

Ultra-romântico em breve...


os sete liquidificados